segunda-feira, 5 de outubro de 2015

Por que não vemos os filhotes de pombos?

Há algo misterioso sobre os pombos. Sempre só os vemos já maduros e em idade avançada. No entanto, nunca vemos seus bebês. Por que?

 http://bio-orbis.blogspot.com.br/2015/10/por-que-nao-vemos-os-filhotes-de-pombos.html
Columba livia. Fonte da imagem: higitec.

VAMOS DESCOBRIR...

Visite qualquer vila ou cidade, e é provável que você os veja em todos os lugares; pombos, a mais onipresente ave urbana, sempre caminha em praças, calçadas ou telhados.

Mas há algo estranho sobre esses animais. Sempre os vemos velhos e mancando, geralmente maduros e sábios, enquanto só alguns jovens. No entanto, nunca vemos seus bebês. Por que?

Fonte da imagem: fatosdesconhecidos.

Os pombos-domésticos (Columba livia) – os que vemos em nossas cidades – são descendentes dos pombos-das-rochas, mas continuam a ser essencialmente o mesmo pássaro. Seus gostos podem ser um pouco mais cosmopolitas, mas quando se trata de reprodução, eles continuam tendo os mesmos hábitos que os pombos selvagens, que são muito reservados quando se trata de situar seus ninhos.

Fonte da imagem: maiscuriosidade.

Essas aves urbanas tendem a ser muito discretas quando se reproduzem e, geralmente, mantém seus ninhos longe do contato humano direto, por segurança. Na ausência de penhascos, falésias e cavernas em nossas cidades, os pombos geralmente procuram por torres de igrejas, prédios abandonados e pontes para construir seus ninhos, de modo que é muito difícil encontrar ao acaso um deles e ver seus filhotes.

Fonte da imagem: fatosdesconhecidos.

Os filhotes normalmente ficam bastante tempo no ninho. O período de nidificação, quando os filhotes são alimentados pelos pais, costuma demorar mais de 40 dias. Depois desse período, quando deixam a “casa”, os pombos já estão crescidos e são fisicamente semelhantes as aves mais velhas.

Filhote de pombo. Fonte da imagem: BBC.

A diferença mais notável entre um pombo jovem e um velho é a sua coloração: uma ave jovem não tem as manchas verdes e roxas ao redor de seu pescoço, enquanto uma velha já tem.

Fonte: BBCGalileu.

E SE QUISER VER MAIS DE NOSSAS POSTAGENS VENHAM SEGUIR NOSSAS COLEÇÕES NO GOOGLE+, ONDE CADA UMA DELAS ESTÁ SEPARADAS EM CATEGORIAS (PARA ACESSAR E SEGUIR BASTA CLICAR NAS IMAGENS ABAIXO):

 https://plus.google.com/collection/Qu2lQB https://plus.google.com/collection/YLgT0 https://plus.google.com/collection/YU0mQB

MAS NÃO DEIXEM VER MAIS TAMBÉM (PARA ACESSA É SÓ CLICAR NOS TÍTULOS OU NAS IMAGENS ABAIXO):

A ave rara da Amazônia

 https://bio-orbis.blogspot.com.br/2014/02/o-jacu-estalo-escamoso-ave-rara-da.html

6 comentários:

  1. Pobres aves mal entendidas e perseguidas, tem pessoas que sentem prazer em matá-las. Gente cruel. Ótimo saber que seus ninhos não tem fácil acesso.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Verdade, esses animais são até caçados e chamados de "ratos voadores". Mas que deixou eles assim fomos nós seres humanos, eles estão assim com essa aparência suja por causa da nossa imundice das cidades.

      Agradecemos pelo comentário,

      Um grande abraço da Equipe BioOrbis.

      Excluir
  2. Gostei de..."TUDO", aqui!!!Parabéns!!!
    ÓTIMO final de ano e um excelente e cheio de sucesso, 2017...2018...2019...2025...2050...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Safhira, que bom que gostou da postagem dos filhotinhos dos pombos n_n

      Um excelente Final de Ano pra você e toda sua família também,

      Boas Festas,

      Equipe BioOrbis.

      Excluir
  3. Infelizmente, devido sua inserção nas cidades, esse animal virou uma praga urbana, que deve ser controlada pois pode causar inúmeras doenças, desde a simples infestação de piolho de pombo, até doenças mais sérias e mortais como a Criptococose, Salmonelose, Encefalites, E. coli e Toxoplasmose.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Disse tudo amigo,

      Mas quem realmente é o culpado por o pombo ser uma praga? Se nós tivéssemos um controle de nossas cidades, desde a limpeza até a infraestrutura, acho que essa pobre ave não seria um praga.

      Agradecemos pelo comentário, um grande abraço.

      Equipe BioOrbis.

      Excluir