sexta-feira, 2 de maio de 2014

Acordo com tubarões

A interação entre pescadores e tubarões-baleia na ilha da Nova Guiné.

 https://bio-orbis.blogspot.com/2014/05/acordo-com-tubaroes.html
Em uma surpreendente interação no mar, tubarões-baleia colossais vão na direção de uma rede de para pesca de peixes, nas proximidades da ilha de Nova Guiné – enquanto pescadores dão lanchinhos para as bestas ladras.

VAMOS DESCOBRIR...

O maior peixe do mar é do comprimento de um ônibus, chega a pesar 22 toneladas e tem uma boca que parece, de frente, capaz de engolir um carro pequeno. Apesar desse perfil único, os cientistas sabem muito pouco a respeito do Rhincodon typus, o tubarão-baleia.

Um tubarão-baleia se mantém ereto e sacode uma rede, tentando agarrar o resultado do trabalho de um pescador. “Esse comportamento revela que podem ser ativos na busca de alimento”, diz o biólogo Morgan Riley, diretor do Programa de Pesquisa dos Tubarões-Baleia das Maldivas, imagem ao lado.

Feito peixe, ele respira por brânquias. E também tem sangue frio, como um peixe. Seu nome faz alusão ao tamanho e ao modo como se alimenta: é uma das três espécies de tubarão que filtram os alimentos, tal como fazem as baleias de barbatana, avançando pela água rica em plâncton com a bocarra aberta. A água entra repleta de criaturas nutritivas, e é eliminada sem elas.

A dificuldade de conhecer esse peixe gigantesco deve-se, em parte, ao problema de localizá-lo e acompanhá-lo. Por meio da fixação de marcadores nos espécimes, cientistas constataram que os tubarões-baleia são capazes de percorrer milhares de quilômetros, em viagens que se estendem por anos. Mas, às vezes, eles somem por semanas, mergulhando a profundidades de até 2 mil metros, nas quais descansam em águas gélidas e escuras. Ninguém ainda identificou os locais em que se acasalam ou dão à luz.

Em cima de plataformas flutuantes, as bagans, pescadores jogam iscas para manter os tubarões longe das redes

Os tubarões-baleia tendem a ser solitários. Mas não nesse canto da Indonésia. A 21 quilômetros da costa da província de Papua, eles, todo dia, se aproximam dos pescadores, em busca de alimentos jogados na superfície. Chegam a cutucar as redes com o focinho – um caso raro em que esses peixes normalmente dóceis agem como o restante dos tubarões.

Fonte: National Geographic Brasil

QUE INCRÍVEIS ANIMAIS E ESTRATÉGIAS PARA A CONSERVAÇÃO DELES. MAS NÃO VAMOS PARAR POR AQUI, ABAIXO TEM MUITO MAIS:

Tubarões Planctívoros

 https://bio-orbis.blogspot.com.br/2015/10/tubaroes-planctivoros.html



 https://plus.google.com/collection/YU0mQB https://plus.google.com/collection/slsfQB https://plus.google.com/collection/ARSoQB

Nenhum comentário:

Postar um comentário