quinta-feira, 10 de março de 2016

Alfred Russel Wallace

Junto com Darwin, para as origens da teoria da evolução.

Alfred Russel Wallace. Fonte da imagem: wikipedia.

VAMOS CONHECÊ-LO...

Nome: Alfred Russel Wallace

Nacionalidade: Britânico

Nascimento: 8 de janeiro de 1823
Local: USK, Gales

Morte: 7 de novembro de 1913 (90 anos)
Local: Broadstone, Ingraterra

Área: Explorador, biólogo, biogeógrafo, antropólogo, naturalista

Conhecido por: codescobrir a seleção natural e por suas obras em biogeografia

Prêmios: Medalha Real (1868), Medalha Darwin (1890), Medalha Copley (1908)





Somente em 1856, foi que Darwin começou a escrever o livro que seria o mais importante de sua vida e um dos mais importantes da história da Biologia: A origem das espécies por meio da seleção natural, ou a preservação das raças favorecidas na luta pela vida. Esse livro só foi publicado em 1859.

Em junho de 1858, o naturalista inglês Alfred Wallace, com base nos estudos que realizou na América do Sul e no arquipélago Malaio, chegou de forma independente às mesmas conclusões de Darwin sobre evolução por seleção natural.

Wallace escrevendo um de seus trabalhos incríveis. Fonte da imagem: macroevolution.

Wallace enviou a Darwin uma carta falando sobre suas ideias a respeito da seleção natural, e os dois redigiram um documento que foi lido numa memorável reunião científica em Londres, em julho de 1858.

As ideias de Wallace foram tão bem elaboradas quanto as de Darwin, mas em função da principalmente da publicação do livro A origem das espécies, que contém grande quantidade de informações sobre o assunto, a Teoria da evolução por seleção natural ficou conhecida como sendo apenas de Darwin. Apesar de Wallace não ter apresentando um trabalho de tão amplo alcance como fez Darwin, ele merece os créditos da elaboração da Teoria da evolução por seleção natural.

Uma fotografia da autobiografia de Wallace mostrando o edifício que ele e o irmão John projetaram e construíram para o Mechanics' Institute de Neath. Fonte da imagem: wikipedia.

Wallace foi o primeiro a propor a distribuição geográfica das espécies animais e, como tal, é considerado um dos precursores da ecologia e da biogeografia e, por vezes, chamado de "Pai da Biogeografia".

EXPLORAÇÕES E ESTUDOS PELO MUNDO NATURAL

Inspirado pelas crônicas de naturalistas viajantes precedentes incluindo Alexander von HumboldtCharles Darwin e William Henry Edwards, Wallace decidiu que ele também queria viajar para o exterior como naturalista. Em 1848 Wallace e Henry Bates partiram para o Brasil a bordo do Mischief. Sua intenção era coletar insetos e outros espécimes animais na Floresta Amazônica e vendê-los a colecionadores na Inglaterra, a venda de coleções era uma fonte de renda para custear as expedições. 

Mapa do "arquipélago malaio" mostrando as viagens de Wallace. Fonte da imagem: wikipedia.

Também esperavam juntar evidências da transmutação das espécies. Wallace e Bates passaram a maior parte de seu primeiro ano coletando espécimes próximo a Belém do Pará, quando exploraram o interior separadamente, encontrando-se por ocasião para discutir seus achados. Em 1849, tiveram a breve companhia de um outro jovem explorador, o botânico Richard Spruce, junto com o irmão mais novo de Wallace, Herbert. Herbert partiu logo em seguida (falecendo dois dias depois de febre amarela), mas Spruce, assim como Bates, passaria quase dez anos coletando na América do Sul.

O jovem Wallace. Fonte da imagem: pinterest.

Wallace continuou cartografando o Rio Negro por quatro anos, coletando espécimes e tomando notas acerca dos povos e línguas que encontrou bem como a geografia, flora e fauna. Em 12 de julho de 1852, Wallace embarcou rumo ao Reino Unido no brigue Helen. Após vinte e oito dias ao mar, o bálsamo na carga do navio pegou fogo e a tripulação foi forçada a abandona-lo. A coleção inteira que Wallace levava foi perdida. Pode apenas salvar parte de seu diário e uns poucos esboços. Porém uma pequena parte de seu material ficou retida no porto de Manaus, está se salvou. Wallace e sua tripulação passaram dez dias num barco aberto antes de serem resgatados pelo brigue Jordeson, que estava viajando de Cuba para Londres. As condições no Jordeson foram tensas por causa dos passageiros inesperados, mas após uma viagem difícil com uma alimentação deficiente o navio finalmente chegou ao seu destino em 1 de outubro de 1852.

A. R. Wallace em Singapura em 1862. Fonte da imagem: wikipedia.

Após seu retorno ao Reino Unido, Wallace passou dezoito meses em Londres vivendo do pagamento do seguro de sua coleção perdida e vendendo o que sobrou. Durante esse período, apesar de ter perdido quase todas as suas anotações de sua expedição à América do Sul, ele escreveu seis ensaios (os quais incluíram On the Monkeys of the Amazon) e dois livros: Palm Trees of the Amazon and Their Uses e Travels on the Amazon (Palmeiras da Amazônia e seus usos de e Viagens sobre a Amazônia). Também firmou contato com inúmeros outros naturalistas britânicos, mais significantemente, com Darwin.

Variedade de besouros coletados por Wallace. Fonte da imagem: NationalGeographic.

De 1854 a 1862, de 31 aos 39 anos de idade, Wallace viajou para a Arquipélago Malaio ou Índias Orientais (agora Malásia e Indonésia), afim de coletar espécimes para vender e estudar a natureza. Suas observações das marcantes diferenças zoológicas através do estreito no arquipélago levaram-no a propor a fronteira biogeográfica atualmente conhecida como a Linha de Wallace. Wallace coletou mais de 125.000 espécimes no Arquipélago Malaio (só de besouros mais de 80.000), sendo que mil representavam espécies novas para a ciência. Uma de suas mais bem conhecidas descrições de espécies durante sua viagem é a do sapo que desliza em árvoresRhacophorus nigropalmatus, conhecido como o "sapo-voador-de-wallace". Enquanto ele explorava o arquipélago, refinou seus pensamentos acerca da evolução e teve sua famosa concepção da seleção natural.

Ilustração da rã-voadora (Rhacophorus nigropalmatus), no livro "O Arquipélago Malaio" de Wallace. Fonte da imagem: wikipedia.

Descrições de seus estudos e aventuras foram eventualmente publicadas em 1869 como The Malay Archipelago, que se tornou um dos mais populares diários de exploração científica do século XIX, mantido continuamente à venda por sua editora inicial (Macmillan) até a segunda década do século XX. A publicação foi elogiada por cientistas tais como Darwin (a quem o livro foi dedicado), e Charles Lyell, e por não-cientistas, tais como o romancista Joseph Conrad, que chamou o livro de seu companheiro de cabeceira favorito e o usou como fonte de informações para vários de seus romances, especialmente Lord Jim.

Fonte: LOPES, Sônia; ROSSO, Sergio. Biologia. Editora Saraiva. 1 ª edição - 2005.

E PARA CONHECER MAIS GÊNIOS DA CIÊNCIA VENHA SEGUIR NOSSA COLEÇÃO SOBRE ELES. E TAMBÉM NÃO DEIXE DE SEGUIR AS OUTRAS. CLIQUEM NAS IMAGENS ABAIXO PARA ACESSAR OS LINKS:

 https://plus.google.com/collection/IPIdQB https://plus.google.com/collection/Ut3sQB

E NÃO DEIXEM DE VER MAIS TAMBÉM (CLIQUEM NOS TÍTULOS OU NAS IMAGENS PARA ACESSAR OS LINKS):

Charles Darwin

 http://bio-orbis.blogspot.com.br/2016/03/charles-darwin.html

A evolução do pescoço das Girafas

 http://bio-orbis.blogspot.com.br/2015/11/a-evolucao-do-pescoco-das-girafas.html

Barbara McClintock

 http://bio-orbis.blogspot.com.br/2016/03/barbara-mcclintock.html


Nenhum comentário:

Postar um comentário